Portugueses desenvolvem vacina contra a malária
Segunda, 15 Novembro 2010 09:32

Uma equipa de cientistas do Instituto de Medicina Molecular (IMM), da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, vai desenvolver uma vacina contra a malária usando um parasita que infeta apenas roedores e não causa qualquer doença em seres humanos.

Este parasita pode ser modificado geneticamente de forma a ativar o sistema imunitário humano e a ensiná-lo a combater o parasita da malária que infeta seres humanos, quando o encontrar.

Atualmente, o projeto mais avançado de vacina, com ensaios em seres humanos, está a ser desenvolvido pela multinacional farmacêutica britânica Glaxo Smith Kline, mas só confere 30% a 40% de proteção.

No projeto agora contemplado com um financiamento de 100 mil dólares (€72 mil) da Fundação Melinda & Bill Gates , os riscos de segurança são praticamente inexistentes, porque o parasita que provoca a malária em roedores não consegue fazer em seres humanos.

 
DHMS - Dinamização Regional de Actores na área do Healthcare & Medical Solutions

O DHMS visa potenciar sinergias entre os vários actores da Região Centro na referida área, para identificação de novos projectos de I&DT, apoio na criação de novos produtos e serviços e internacionalização de empresas deste sector. Tem como promotores o IPN, o AIBILI, a Universidades de Coimbra, a Universidade de Aveiro e a Universidade da Beira Interior, e vem dar continuidade ao XHMS, projecto que se iniciou em 2006 e concretizou os objectivos propostos com reconhecido sucesso. Este projecto está integrado no plano de acção do Pólo de Competitividade Health Cluster Portugal e é apoiado pelo Programa Operacional Factores de Competitividade – COMPETE.

Para mais informações, contactar Carlos Cerqueira em vci@ipn.pt.

 

IPN UC Aibili UA UBI COMPETE QREN Unio Europeia